PRONTOMED INFANTIL

HOME > PRONTOMED INFANTIL



HOME > PRONTOMED INFANTIL




PRONTOMED INFANTIL


Crianças que pulam refeições ou dormem mal têm maior risco de obesidade

Estudo conduzido por pesquisadores da Universidade College London analisou dados de 19.244 famílias do Reino Unido e descobriu ainda que existem fatores que podem ser facilmente alterados para prevenir problemas de saúde no futuro

Publicada em: 11/11/2016



Filhos de mães que fumaram durante a gravidez, crianças que pulam o café da manhã ou que não têm o sono regular ou não dormem o suficiente têm maior probabilidade de se tornarem obesas ou com sobrepeso. Essa é a conclusão de um estudo conduzido por pesquisadores da Universidade College London, que analisou dados de 19.244 famílias do Reino Unido, e descobriu que existem fatores que podem ser facilmente alterados para prevenir problemas de saúde no futuro.

— É sabido que filhos de mães obesas ou com sobrepeso são mais propensas a terem sobrepeso, provavelmente refletindo o ambiente ‘obesogênico’ e, talvez, uma predisposição genética para ganhar peso — disse a professora Yvonne Kelly, que liderou as pesquisas. — Esse estudo mostra que rotinas interrompidas, exemplificadas por padrões irregulares de sono e por pular o café da manhã, podem influenciar o ganho de peso pelo aumento do apetite e pelo consumo de alimentos muito energéticos.

O estudo, publicado no periódico científico “Pediatrics”, é o primeiro no Reino Unido a observar os padrões de desenvolvimento do índice de massa corporal (IMC) nos primeiros dez anos das crianças, para buscar por fatores de estilo de vida que podem influenciar o ganho de peso. Os dados de peso e altura foram coletados quando as crianças tinham 3,5,7 e 11 anos de idade.

Os pesquisadores destacam que os resultados apontam para fatores que podem ser modificados pelas famílias, dando subsídios para políticas públicas direcionadas a crianças e adolescentes. A obesidade é um problema grave que tem afetado cada vez mais os jovens, com impactos no bem-estar psicossocial como baixa autoestima, tristeza assim como comportamentos de risco, como consumo de álcool e cigarro.

O fumo durante a gravidez está ligado ao maior risco de desenvolvimento da obesidade nas crianças provavelmente pela relação entre a exposição ao tabaco e a coordenação motora das crianças.

O estudo identificou quatro padrões de desenvolvimento de peso. A grande maioria das crianças, 83,3%, tinha o IMC estável sem sobrepeso, enquanto 13,1% apresentaram aumento moderado do IMC e 2,5% tinham o IMC acentuado. O menor grupo, de 0,6%, já tinham o IMC de obesos aos 3 anos de idade.

O estudo também serviu para derrubar mitos sobre a alimentação. Fatores como a amamentação e a introdução de alimentos sólidos não estão associados com o ganho de peso. Da mesma forma que o consumo de bebidas açucaradas, frutas, tempo diante da TV e prática de esportes também não são indicadores de ganho de peso.

Fonte: O Globo

Edição: A.N.



Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.







Destaques: