ARTIGOS

HOME > ARTIGOS



HOME > ARTIGOS




CONVIVÊNCIA


O Novo Manual de Etiqueta Urbana (Parte 2)

Seguir algumas regras de convivência social pode facilitar sua vida nesse mundo cheio de pessoas estressadas, distraídas com a correria diária e lidando com novas tecnologias.

Publicada em: 23/04/2007



As tão conhecidas regras de etiqueta sempre existiram. Mas, muita gente defende que, no mundo moderno, elas já não têm muita importância. Será mesmo? Talvez saber qual o talher adequado para comer salada não seja mesmo relevante. Mas existe um outro lado: acredite! Seguir algumas regras de convivência social pode facilitar sua vida nesse mundo cheio de pessoas estressadas, distraídas com a correria diária e lidando com novas tecnologias. Se você não sabe qual reação ter quando um amigo é demitido ou como proceder quando alguém indesejado lhe adiciona no orkut, confira essas dicas. Você vai perceber que mesmo no caótico mundo moderno ainda é possível uma convivência pacífica. Disponibilizamos agora a etiqueta urbana no Cotidiano:


COTIDIANO

Qual é a melhor maneira de pedir silêncio a seu vizinho de poltrona no cinema?

Fazendo "sssshhh". Se não der certo, reclame, mas em voz baixa. Caso contrário, você é que estará se tornando um incômodo para os outros espectadores. Se os conversadores não se calarem, levante-se e busque outro lugar.


Como mostrar a um motorista de táxi ou à pessoa sentada a seu lado num ônibus ou num avião que você não quer papo?

Leve sempre um livro. Responda a uma ou duas perguntas da pessoa, pegue o livro e abra. Fixe a atenção no texto, e a pessoa vai entender. Se não der certo, gire a cabeça, feche os olhos e finja que está dormindo.


Você vai jantar num restaurante. O celular pode ficar à mesa?

Não. A menos que você esteja esperando o resultado de seu teste de gravidez ou de aids. Ainda assim, avise seu acompanhante de que está esperando uma ligação importante e peça-lhe desculpas.


O elevador chegou. Continuo minha conversa ao celular?

Não. Ninguém é obrigado a ouvir suas intimidades. Avise que está entrando no elevador e volte a ligar em seguida.


Você é carona no carro de colegas e o som do rádio lhe desagrada. Vale um comentário?

Não. Quem dorme de favor não estica as pernas.


O colega motorista comete várias infrações no trânsito. Você pode chamar sua atenção?

Se sua segurança estiver em risco, não pode, deve.


Como reagir a alguém que fura a fila no check-in do aeroporto?

Reclame. Provoque a revolta da fila toda. Sua indignação é justificada e você vai contar com a solidariedade do aeroporto inteiro.


Como reagir se um velhinho anda na pista da esquerda a 30 quilômetros por hora?

Ele está errado e é seu direito reclamar - sem comprar briga. Dê sinal com o farol, ou uma leve buzinada, e mostre que precisa passar. Segure o gesto obsceno ou o palavrão. O sujeito pode reagir mal e atrasar ainda mais sua vida.


Como reagir quando alguém surge do nada e rouba a vaga que você estava esperando?

Por essas e outras é bom não andar armado. Conte até dez. Diga ao grosseirão - sem gritar - que você já estava ali antes. Se ele sair, ótimo. Se disser algo como "vou ficar aqui mesmo", esqueça.


Como se livrar de um pedinte?

O melhor é não dar dinheiro. Ajuda pouco e estimula a mendicância. No caso de crianças, ofereça uma bala ou um brinquedo. Se for um desses malabaristas de circo, olhe-o nos olhos e faça um sinal de negativo, de forma simpática. De preferência, antes de ele começar o ato. Se ele for surpreendente e conseguir diverti-lo, então merece algo, porque você aceitou o show. No caso dos limpadores de vidro, seja rápido: diga não antes de eles jogarem água com sabão em seu carro. Se for um bêbado, diga não polidamente. Ele vai continuar lá. Você diz não outra vez. Depois da terceira vez, você está liberado para ignorá-lo.


E o pessoal que distribui propaganda?

Você não é obrigado a pegar nada. Mas deve ser gentil com quem está de pé o dia inteiro. Se pegar algum folheto, é obrigado a jogar no lixo depois. E não na rua.


Veja mais - Parte 1 - TRABALHO


Fonte: Revista Seleções/ Fevereiro 2007
Edição: Clarissa Poty
23.04.07



Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.







Destaques: