ARTIGOS

HOME > ARTIGOS



HOME > ARTIGOS




SOLIDÃO


O mal do século é a solidão

O homem precisa do outro para se sentir socializado, integrado, unido a alguma coisa.

Publicada em: 19/04/2007



Muito se fala sobre a possibilidade do homem de viver sozinho. Ou sobre a não-possibilidade.

São ditados, dizeres, certezas repetidas por anos a fio que se tornam verdade absolutas. Até experiências com crianças sendo criadas longe do convívio com outros seres humanos não vingaram.

O homem precisa do outro para se sentir socializado, integrado, unido a alguma coisa.

Por isso é tão complicado observar como as pessoas são nas grandes cidades. Quando se vai a centros como São Paulo, Brasília, Curitiba, capitais de clima fechado e sem a presença de mar [um fator de socialização bem considerável], observa-se como as pessoas são fechadas, carrancudas, distantes do convívio com o outro.

Uma das várias razões para isso é o medo latente do desconhecido que é inescapável às pessoas dessas cidades. Na verdade, quanto mais violento é o centro em que essas pessoas vivem, mas distante costuma ser o tratamento com as pessoas estranhas ao seu ciclo.

Tais indivíduos precisam erguer muros de proteção contra o desconhecidos cada vez maiores, já que o número de perigos só cresce.

Assim, é angustiante ser novo nessa cidade de São Paulo tendo na cabeça costumes e tradições teresinenses. Não há como se adaptar sem uma certa quebra de paradigmas, já que você está completamente inserido numa realidade que não é a sua, não é da sua intimidade.

Quando eu decidir vir para São Paulo, minha vó materna me disse para eu tomar muito cuidado, por que “a cidade dos outros não é como a nossa”. Foi um dos conselhos mais sábios [como só ela poderia ter me dado] que recebi. Realmente essa cidade não me pertence, eu não pertenço a essa cidade.

Mas engana-se quem acha que essa é a impressão de quem é recém-chegado. Não. Esse é um sentimento generalizado, de que a impessoalidade de São Paulo a torna apenas um lugar em que se vive.

Como me disse uma pessoa no fim de semana, São Paulo é a terra da solidão. E como diz a música pop, “a house is not a home” [uma casa não é um lar].

Por Pedro Jansen
19.04.07



Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.







Destaques: