ARTIGOS

HOME > ARTIGOS



HOME > ARTIGOS




BRASIL


O Gramophone e a Honra. Artigo de Poncion Rodrigues

Quem não conheceu de perto o gramofone certamente terá visto algum em fotografia antiga ou no cinema.

Publicada em: 21/06/2007



Quem não conheceu de perto o gramofone certamente terá visto algum em fotografia antiga ou no cinema. Aquela peça de “design” esquisito, pescoçuda e de bocarra escancarada, lembrava um filhote faminto de ave pré-histórica, da qual, aos olhos de hoje, parece ter sido contemporâneo.

Foi o dinossauro dos aparelhos de som e fazia parte da decoração e do lazer nos lares das boas famílias do início do século passado. Animando saraus ou embevecendo os sentidos no doce aconchego das salas-de-estar, aquela conquista da “modernidade” mudou hábitos e apurou ouvidos, levando as grandes óperas italianas, os clássicos eternos e até a jocosa música popular de então, para os pequenos ambientes residenciais. Um verdadeiro milagre, pois.

Falando em coisas antigas, quem dentre os mais idosos não haverá de lembrar-se da honra? Não da palavra de sonoridade cavernosa, mas do seu significado e simbolismo, se projetando nas intenções e nas ações humanas de outrora. Quem não se lembra da tal vergonha-na-cara que tanta falta tem feito a este sofrido país?

O que pode passar pela cabeça de nossos jovens no processo de construção de suas personalidades quando observam a tradicional premiação da cafajestice ao seu redor? Qual instituição republicana não está corroída pelos cupins da corrupção? “Democraticamente” todos os poderes do Estado e seus incontáveis tentáculos são comandados pelos códigos amorais da prostituição da ética e dos nobres valores.

Do parlamento corrupto, útero maroto que gerou nossa bizarra ordenação jurídica, não se espera as reformas que já se fazem urgentes nos anseios de todo o povo brasileiro.

Nossa legislação não pune e até afaga os corruptos; protege maternalmente os bandidos e nos vampiriza com a maior carga tributária do planeta.

Merecemos de fato a Nação que temos? Que inveja de quem vivia nos tempos do gramofone! Que falta nos faz a boa e velha vergonha na cara!


Poncion Rodrigues
21.06.2007



Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.







Destaques: