ARTIGOS

HOME > ARTIGOS



HOME > ARTIGOS




ONDE ESTÃO OS LIDERES ?


Nunca houve tanta escassez de lideres e tantos livros sobre liderança.

Publicada em: 27/04/2005



Onde estão os lideres ?

 

Nunca houve tanta escassez de líderes e tanta abundância de livros escritos sobre o tema - no Brasil é possível encontrar cerca de 150 livros tratando do tema “liderança”, lançados no mercado nos últimos anos, e no mundo inteiro são  publicados, por ano, cerca de 2000 trabalhos sobre o assunto.

No Brasil a questão é mais complexa, pois as empresas, na sua grande maioria, possuem um modelo de gestão do tipo familiar, o que conspira fortemente contra o aparecimento de qualquer política de estímulo ao desenvolvimento de lideranças internas. Outro elemento inviabilizador do desenvolvimento de lideres empresariais brasileiros  é o anacronismo de nossa legislação trabalhista, indutora de um clima gladiatorial permanente nas relações entre gestores e funcionários. Além disso a herança cultural colonial brasileira possui fortes traços senhoriais, tornando as relações gerenciais internas fortemente impregnadas de temores silenciosos e ressentimentos mútuos.

Apesar de tudo isso, o exercício da liderança começa a fazer nítida diferença no desempenho competitivo das empresas: há cerca de 5 anos uma conhecida empresa de Teresina, após acumular crescentes prejuízos financeiros  operacionais, reuniu seus sócios para decidir qual a maneira menos traumática de  encerrar suas atividades. Durante a fatídica reunião decidiu-se por uma última tentativa de sobrevivência, através da mudança de uma única pessoa – o gerente administrativo, ao qual seriam dados poderes decisórios absolutos. Alguém ainda argumentou: “ora, como poderá uma só pessoa elevar o péssimo estado de ânimo de 82 funcionários, pagar dívidas de curto prazo que correspondem a 2 faturamentos mensais e transformar uma atividade economicamente inviável em algo auto-sustentável ?”. Finalmente decidiu-se pelo recrutamento de um administrador externo ao grupo, e o sucesso é hoje uma realidade ! Respeitado, enérgico, temido, paranóico, coerente, seja lá o que for, ele conseguiu ... Ou seja, lideres realmente fazem uma enorme diferença.

Conheço uma empresa exemplar, imitada e invejada pelos concorrentes, que é conduzida desde o início de suas atividades por uma dupla de administradores que age em intensa sinergia, o que faz com que tenham tido um crescimento  de mais de 30 % em seu faturamento anual, associado a um excelente nível de harmonia organizacional. Pois bem, há 1 ano um dos administradores passou por desafios pessoais que o impediram de continuar mantendo o nível de caloroso entusiasmo que dedicava aos seus liderados. Caramba, bastaram dois meses ! Isto mesmo, dois meses de ausência parcial daquela energia foram suficientes para transformar aquele exército de guerreiros orgulhosos num bando de adversários, em conflito uns contra os outros. Bastou que ele retornasse ao pique de antes para que tudo se normalizasse.

Portanto, não há dúvidas, o que motiva os membros de uma organização de sucesso é a sua liderança.  E liderança é algo vital nos momentos de dificuldades, de desafios e crises, pois quando o vento está na direção certa e o mar está calmo o barco praticamente navega sozinho. Mas, na hora em que aparece uma turbulência, por menor que seja, a falta de um líder ou a presença de um líder incompetente torna tudo mais complexo e ameaçador.

E o que são os lideres, são pessoas que já nascem com  características herdadas básicas de capacidades e caráter  que constituem suas personalidades ? Ou seriam pessoas que as circunstâncias e a auto –determinação modificaram ao longo do tempo através do aprendizado ?

Considero que os lideres são pessoas comuns, produtos das suas circunstâncias, dos momentos das empresas e do mercado. Mas quase todos os lideres apresentam características típicas, competências sem as quais não funcionariam:

  1. Energia: não conheço lideres lerdos, tristes, apáticos, quietos. Manifestando energia constante os lideres sugerem, cobram, beliscam, incomodam, dão choques, criticam, elogiam, enfim, não deixam ninguém dormir. O líder é como aquele comandante de navio que diz ao marinheiro recém-chegado, enquanto lhe entrega um balde de tinta e um pincel: “pinte de branco tudo aquilo que não se move !|”
  2. Iniciativa: erram muitas vezes, mas decidem sempre. Depois corrigem o rumo, mas não ficam esperando as coisas acontecerem. O lider que se deixa paralisar pelo medo ou pela indecisão prolongada é engolido pela tormenta.
  3. Preocupação com o cliente: O verdadeiro líder tem como primeira preocupação o cliente, depois é que vêm o desempenho financeiro, os lucros, etc. Ele sabe muito bem que a sobrevivência da tribo que lidera estará ameaçada se o cliente estiver insatisfeito.
  4. Intuição: a gerência por intuição já se tornou ciência, e no mundo corporativo, no qual a bicicleta anda a uma velocidade cada vez maior, as variáveis de um problema são, por vezes, tão numerosas que analisa-las uma a uma implica numa perda de tempo que poderá ser fatal. Nestes casos a intuição é uma ferramenta cada vez mais preciosa. Nas entrevistas de contratações, por exemplo, a intuição é uma ferramenta mais importante que a fria análise dos currículos ou o conteúdo das respostas às perguntas.
  5. Autocontrole: o bom líder não ouve conselhos da vontade, esta má conselheira. Ele controla os impulsos de reagir às provocações, aos insucessos e aos estragos decorrentes dos ocasionais e inevitáveis incidentes  de “fogo amigo” (as pessoas difíceis que existem dentro de toda empresa, e que vivem à espera de um momento favorável para exercitarem seus poderes destrutivos).
  6. Coerência: “doido é quem tem idéia fixa !”. Está bem, concordo,  mas o líder que passa o tempo todo mudando de idéia, prometendo e não cumprindo o prometido, traçando uma meta para em seguida abandoná-la, lançando um desafio sem fornecer os instrumentos para que ele seja conquistado, não vai durar muito. Depois de certo tempo, ninguém acreditará mais  no que ele diz ou promete.
  7. Paixão e ambição: com paixão pelo negócio, e sem medo de crescer; acreditando e fazendo acreditarem que aquela é a melhor empresa do mercado; ambicionando dirigir a organização mais inovadora, segura, temida e imitada pelos concorrentes o líder eficaz sabe que com educação e treinamento os guerreiros da tribo serão invencíveis.
  8. Alergia a fofocas: líder que dá ouvidos a fofocas tem vida curta. Qualquer fofoca tem sempre três ou mais versões. Assim, o líder sensato não se deixa mover por tais histórias, porém sem esquecer o provérbio chinês que diz: “cavalo ganhou uma vez, é sorte; ganhou duas vezes, é coincidência; ganhou três vezes, aposte neste cavalo !”. Se a mesma fofoca chegar três vezes seguidas, vinda de fontes diferentes e acreditadas, talvez seja bom apurá-la.
  9. O líder dá exemplos: álcool, cigarro, sedentarismo e outras práticas destrutivas de vida não podem ser adotadas por alguém que se propõe a liderar os outros.
  10. Comunicação: distância não combina com liderança. As pessoas querem sentir-se próximas daquele que conduz seus destinos, e querem ter a possibilidade de serem cumprimentadas, ouvidas, consultadas, respeitadas. O líder que se tranca numa sala, só se comunica por "comandos", não fala diretamente das conquistas e das dificuldades, não parabeniza diretamente pelo aniversário do funcionário, não festeja junto as vitórias, não pede desculpas quando erra, e que escolhe seus “preferidos” (e "isola" os demais), está matando aos poucos a organização pela qual é o maior responsável .

 

jcerqueira@uol.com.br

   

 

 



Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.







Destaques: