ARTIGOS

HOME > ARTIGOS



HOME > ARTIGOS





Como fica a cabeça dos idosos em tempos de Covid-19 e isolamento social

Entre as alterações que pode observar estão: insônia, falta ou aumento de apetite e agravamento de doenças crônicos como diabetes e doenças cardiovasculares.

Imagem: iStock

Publicada em: 15/04/2020



Em meio à pandemia que enfrentamos, o isolamento social é um dos recursos vitais tanto para reduzir o ritmo de propagação do novo coronavírus em nossa sociedade como para resguardar a população idosa, que está no grupo considerado de maior risco. Enquanto esperamos que os pesquisadores desenvolvam uma vacina capaz de nos imunizar contra o vírus Sars-CoV-2, ficar em casa e manter o distanciamento social tornou-se a nossa maior barreira protetora.

Ao passo que se trata de um cuidado muito bem indicado, a medida pode gerar uma avalanche de emoções nos idosos, o que é capaz de colocar em risco sua saúde mental.

Situações como quarentenas tendem a despertar sentimentos como solidão, estresse, ansiedade, tristeza e depressão. De acordo com o Centro de Prevenção e Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC), tais condições são esperadas durante um surto de doença infecciosa, como temos vivido com a Covid-19.

Geralmente, o idoso tem medo por si e por seus entes queridos. Seu sono se altera e seu apetite também pode ser impactado. Um cenário propício para, inclusive, agravar problemas crônicos de saúde como diabetes, hipertensão e doenças cardiovasculares.

Como lidar com as emoções?

Em primeiro lugar, é preciso expandir o foco. Sabemos que a informação é uma das ferramentas essenciais para combater o novo coronavírus. Sendo assim, assistir aos noticiários é importante para se manter a par da situação. Entretanto, evite ficar concentrado única e exclusivamente nas notícias relacionadas à Covid-19.

Procure assistir a filmes, ler livros… Destine apenas um momento do seu dia para atualização do que acontece no mundo externo. Não se consuma, apenas cuide-se!

Segundo conselho: mantenha-se ativo. Prepare suas receitas na cozinha, aprenda e arrisque novos pratos. E não deixe de fazer exercícios dentro de casa, de acordo com suas possibilidades e limitações físicas. Caminhe, sente, levante… mude de posição! Evite ficar sentado ou deitado o dia todo, quando possível.

Terceiro: vamos usar a tecnologia a nosso favor. Distanciamento e isolamento social não têm que significar solidão. Faça contato com os familiares e amigos por meio de chamadas de vídeo ou das redes sociais. Marque conversas, reuniões em grupo. Aproveite a tecnologia para estar conectado com aqueles que você ama. E, claro, lance mão do bom e velho telefone, seja ele fixo ou móvel.

Para os idosos, precisamos passar uma mensagem em particular: aceite ajuda. Muita gente se dispõe a auxiliar os mais velhos no período de confinamento. Aceite esse suporte em seu entorno e comunidade para que alguém lhe faça e traga as compras do mercado e da farmácia, por exemplo. E não deixe de utilizar os serviços de delivery.

Outro conselho é manter a espiritualidade ativa nessas horas. Independentemente da sua crença, procure meditar, orar ou rezar. A espiritualidade contribui com o envelhecimento saudável. Estudos apontam que pessoas que nutrem alguma crença têm um melhor equilíbrio na conexão entre mente e corpo, são mais positivas e reagem melhor a problemas e adversidades — como a pandemia de Covid-19.

Nesse sentido, cultive cautela, paciência e sabedoria. Não é hora de flexibilizar o isolamento social. Todos podem e devem fazer sua parte, respeitando o distanciamento.

Muitos de nós temos pais, tios, avós e vizinhos idosos. Essa história de que bastaria isolar somente o grupo mais vulnerável, caso dos mais velhos, não tem fundamento. A ciência e a experiência dos outros países nos ensinam isso. Na realidade brasileira, é comum crianças, jovens e adultos morarem com idosos. E os mais novos podem sair de casa e retornar infectados.

Daí a necessidade de todo mundo tomar os cuidados recomendados pelos órgãos de saúde, reduzindo as saídas, tirando roupas e calçados na entrada de casa caso tenha ido ao mercado, higienizando as mãos e os objetos… E evitando qualquer contato com o idoso enquanto essas medidas não forem realizadas.

Tenhamos em mente que vai passar. E vamos vencer. A história mundial nos ensina que outras epidemias, até a gripe espanhola, foram vencidas. E hoje temos a vantagem de ter tecnologia e ciência de ponta para desenvolver vacinas e outras soluções.

Estamos no caminho certo, mas lembre-se sempre que hoje a melhor arma à disposição contra o coronavírus é o isolamento social. Você não está sozinho. Fique em casa e confiante que chegaremos bem juntos.

Fonte: Saúde é Vital
Edição: C.S. 



Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.







Destaques: