NOTÍCIAS

HOME > NOTÍCIAS



HOME > NOTÍCIAS




CIÊNCIA


Festival leva cientistas ao bar para debaterem suas pesquisas com o público

Pint of Science acontece de segunda (14) a quarta (16) em 56 cidades; temas vão do feminismo à física quântica.

Publicada em: 14/05/2018



Se alguém duvida de que em conversa de bar cabe qualquer assunto, talvez seja hora de mudar de ideia: começa nesta segunda (14) o Pint of Science, evento de divulgação científica que ocorre em diversos países —Brasil incluso— e que promove encontros nos quais se discute ciência em meio a cerveja e petiscos. Com a ideia de aproximar cientistas do público, o festival leva durante três dias pesquisadores de diversas áreas para falar sobre seus temas de estudo num ambiente diferente das sisudas salas de aula universitárias. 

O Pint (pronuncia-se "paint") surgiu na Inglaterra em 2013 —daí a alusão ao tradicional copo de cerveja inglês— e chegou ao Brasil em 2015, quando foi realizado em São Carlos, no interior paulista. Denise Casatti, analista de comunicação na USP São Carlos trouxe o festival para o país. Ela propôs que a universidade apoiasse o evento e entrou em contato com Michael Motskin, criador do Pint.

"Ele gostou da ideia, mas queria que ocorresse em ao menos duas cidades. Como faltava menos de dois meses para o início do festival, no entanto, concordou em abrir uma exceção. Garanti que se conseguíssemos montar o Pint aqui, se espalharia."

A aposta deu certo. No ano seguinte, o evento ocorreu em sete cidades; em 2017, foram 22; e, neste ano, 56 —os quais vão desde uma metrópole como São Paulo a pequena Santa Rita do Sapucaí (MG), que conta menos de 40 mil habitantes. Dentre os 21 países que abrigarão o festival em 2018, o Brasil só perde em número de cidades para a Espanha, com 58.

Para Natalia Pasternak, organizadora nacional, apesar da cultura boêmia nacional, o sucesso do Pint por aqui é algo surpreendente. "Ou tudo é desculpa para ir para o bar ou o brasileiro, como parece, está realmente interessado em ciência e conhecimento. Talvez um pouco dos dois", brinca.

Outro fator que pode ter contribuído para a expansão, diz Pasternak, é o engajamento dos cientistas em popularizar suas pesquisas. "A coisa boa dessa crise na ciência é que a comunidade científica acordou para o fato de que a divulgação precisa acontecer. A ciência traz imensos benefícios, mas se a gente não se empenhar em divulgar, ninguém irá perceber", diz.

"Em que outra situação a população fala diretamente com o cientista e pergunta o que quiser?", questiona Casatti. Assim, ao promover esse contato, o festival contribui para amainar estereótipos que cercam a profissão de cientista.

"Persiste a imagem do cientista maluco, nerd, de jaleco branco, trancado no laboratório e esquecido da vida lá fora. Nada mais distante da realidade", afirma Pasternak, que também é pesquisadora da USP. "Cientistas são pessoas normais, que escolheram a ciência como carreira, assim como outros escolhem medicina, arquitetura etc."

A realização do evento, que neste ano terá cerca de 500 encontros em bares e restaurantes, demanda comprometimento. Tanto as 750 pessoas envolvidas na organização quanto os 885 palestrantes são voluntários. "Ninguém ganha nenhum centavo, fora o dono do bar", diz Pasternak.

A programação do Pint é definida pelos coordenadores de cada cidade, responsáveis por ir atrás do palestrantes. Essa seleção é submetida aos coordenadores regionais, para garantir que as palestras abordem assuntos científicos.

"As palestras podem contemplar qualquer área, só não podem contemplar bobagens pseudocientíficas", diz a organizadora nacional do Pint. Inteligência artificial, produção de vacinas, teoria das cordas, presença de micróbios no corpo, nutrição humana e jornalismo científico são alguns dos temas deste ano.

Paternak diz que, após o festival ter se consolidado no país, a meta agora é aumentar a diversidade do público. "Uma parte significativa do público é universitária. Neste ano, estamos lançando uma campanha para que cada um deles leve um amigo de fora da academia. Só dessa maneira conseguiremos, de fato, popularizar a ciência."

EM TERESINA:
Medalhão do Chef
Av. N.S. de Fátima, 1782, Teresina, 64048-901
14 Mai > Mesa Redonda: Biotecnologia: da bancada ao balcão.
15 Mai > Mesa redonda sobre Reprodução Animal
16 Mai > Palestra: A Ciência do Plástico Eletrônico


RamBeer – Cervejaria Artesanal
Rua Visconde da Parnaíba, 1317. Bairro Ininga, Teresina, 64049-570
14 Mai > Palestra: Educação Especial: o que temos a ver com...
15 Mai > Palestra - Sol a pino e de vento em popa: cenários...
16 Mai > Palestra: Pesquisa & Inovação: da ideia ao mercado

 

Fonte: Folha
Edição: F.C.



Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.







Destaques: