NOTÍCIAS

HOME > NOTÍCIAS



HOME > NOTÍCIAS




PESQUISA


Antialérgicos podem afetar a fertilidade masculina, alerta estudo

Anti-histamínicos podem afetar o funcionamento dos testículos.

Publicada em: 12/03/2018



Os antialérgicos anti-histamínicos são medicamentos amplamente utilizados para aliviar os sintomas de alergias, mas o uso em excesso pode afetar a fertilidade masculina, alerta estudo publicado esta semana na revista “Reproduction”. O artigo revisou pesquisas sobre os efeitos adversos dessas drogas sobre a fertilidade nas últimas quatro décadas, concluindo que os anti-histamínicos podem afetar a produção de hormônios masculinos nos testículos, afetando a mobilidade e a quantidade de espermatozoides. A histamina é uma molécula produzida pelo corpo como resposta a certas condições detectadas pelo sistema imunológico como ameaças em potencial. É ela a responsável pelas reações alérgicas moderadas, como febres, erupções cutâneas e obstrução das vias respiratórias. Logo, os anti-histamínicos combatem essas moléculas, aliviando os sintomas alérgicos. Acontece que a histamina também atua sobre outros processos, como a regulação do sono, o comportamento sexual e a fertilidade.

O estudo, realizado por pesquisadores do Instituto de Biologia e Medicina Experimental da Argentina, revisou a literatura científica sobre o tema, incluindo pesquisas com humanos e animais. A conclusão é que faltam estudos de larga escala, mas a evidência, apesar de limitada, indica que a histamina cumpre um papel no sistema reprodutor masculino.

— Mais testes de larga escala são necessários para avaliar os possíveis efeitos negativos dos anti-histamínicos na saúde sexual e reprodutiva. Isso pode levar a novos tratamentos para os sintomas da alergia sem comprometer a fertilidade — disse Carolina Mondillo, uma das cientistas envolvidas no estudo. — Os dados compilados nesta revisão indicam o envolvimento crucial da histamina na orquestração das funções testiculares, mas ainda há muito a aprender sobre os mecanismos implicados.

Para especialistas, o alerta dado pelo estudo argentino é para a comunidade científica, que precisa olhar para a possível relação entre os anti-histamínicos e a saúde sexual. Para os pacientes, a recomendação continua a mesma: consultar um médico antes de tomar qualquer medicação e cumprir a prescrição. O problema é que os anti-histamínicos são drogas bastante populares, comercializadas sem a necessidade de receita médica.

— O princípio da precaução aqui deve ser para que homens evitem tomar muitos anti-histamínicos se estão tentando procriar — comentou Darren Griffin, professor de Genética na Universidade de Kent, no Reino Unido. — Os autores mencionam possíveis efeitos na ereção, na produção de testosterona, no comportamento sexual e na ejaculação. Entretanto, o espirro persistente também não é particularmente uma boa estratégia reprodutiva. Então, talvez, tomar os anti-histamínicos, quando necessário, seja o menor de dois males.

Já Channa Jayasena, da Imperial College London, considera cedo para ligar o alerta para esse tipo de medicação, mas destaca que os remédios podem realmente estar afetando a fertilidade dos homens. Por isso, mais estudos são necessários.

— A qualidade média do esperma na população está reduzindo ao longo das últimas décadas, então é sempre importante considerar que medicações comuns, cada vez mais utilizadas, podem ser parcialmente responsáveis — apontou o pesquisador. — Como os autores destacam corretamente, ainda é muito cedo para tocar os alarmes sobre esses remédios. Muitos agentes podem estar relacionados com a infertilidade masculina. O truque está em avaliar qual o tamanho do impacto na saúde reprodutiva masculina, que ainda é desconhecido.


Fonte: O Globo
Edição: F.C.



Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.







Destaques: